Domingo, 13 de Dezembro de 2009

A MAGIA DE APRENDER

 

    (Imagem BBC)

 

   Terá sido o maior tsunami no planeta; as cheias zanclenianas do Mediterrâneo.

   Cientistas espanhois publicaram um estudo na revista Nature segundo o qual o Mar Mediterrâneo foi reposto numa cheia catastrófica após a chamada crise de salinidade Messiniânica.

   Tudo aconteceu há 5,6 milhões de anos, quando a pressão do Oceano Atlântico cavou uma passagem através do Estreito de Gilbraltar, projectando por ali uma torrente de água mil vezes superior ao actual caudal do Rio Amazonas.

 

   Imagine-se o efeito desastroso que essa massa de água terá tido sobre todo o litoral por ela atravessado.

   O grupo de autores do estudo,  liderado por Daniel Garcia-Castellanos, pertencem ao Conselho de Investigações científicas de espanha (CSIC).

 

   O Mediterrâneo esteve quase a secar há seis milhões de anos, ao ficar isolado dos oceanos durante 350 mil anos, devido ao levantamento tectónico do Estreito de Gibraltar.

   As águas do Atlântico tiveram, então, de encontrar um novo caminho através do Estreito. Quando o "descobriram", encheram o Mediterrâneo com a maior e mais brusca inundação que a Terra jamais conheceu.

   A enorme descarga de água aconteceu quando o istmo que liga a África à Europa se abateu.

   O desnível de ambos os mares, com um quilómetro e meio, fez encher o Mediterrâneo ao ritmo de até dez metros diários de subida do nível do mar. A inundação que ligou o Atlântico ao Mediterrâneo provocou no fundo marinho uma erosão de cerca de 200 quilómetros de comprimento e vários quilómetros de largura, segundo indica o estudo.

   Foi neste período de até dois anos que o mar se encheu com 90 por cento da água que tem actualmente.

 

 


publicado por António Mateus às 14:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

ESPERANÇA SIAMESA

 

   É uma daquelas histórias que só nos pode comover como seres humanos, um exemplo de luz na nossa viagem comum.


   Duas bebés siamesas, ligadas pelas cabeças, foram separadas com sucesso num hospital australiano.


   As duas tinham sido abandonadas pelos pais num orfanato do Bangladesh, onde duas jovens voluntárias australianas resolveram mobilizar ajuda internacional.


   O resultado é um arco-íris de esperança no nosso estar colectivo.
   Ora veja;
 


publicado por António Mateus às 13:24
link do post | comentar | favorito

TRANSLATE THIS BLOG TO ANY LANGUAGE

António Mateus

Escritor e jornalista. Nasceu em 1960 em Castelo Branco, filho de uma socióloga e de um Oficial de Cavalaria. Licenciado pela UTL e iniciou a sua actividade jornalística no jornal O Globo em 1982. Continuar a ler (...)

Os meus livros

Selva Urbana, edições Colibri. "Selva Urbana – ponte entre olhares e sensibilidades de dois mundos, duas culturas, dois continentes, situações humanas comuns – é uma sequência de retratos publicados em colunas semanais num jornal diário de cariz económico, Jornal de Negócios (...) Comprar

Homens vestidos de peles diferentes, editora Ulmeiro. Comprar.

pesquisar

 

links

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds