Segunda-feira, 23 de Março de 2009

MONTANHAS E MAOMÉS

 

 

   Madala era tão, madala, que a sabedoria nele somada mais parecia quantidade de impossível guarda humana.


   Há anos, tantos, que ele escutava, sorvia, trocava pedrinhas por luzes de serenidade, que o iam pavimentando a ele próprio.


   Tornando-se caminho de muitas viagens, por onde guiava depois os que lhe pediam pretexto de sorriso, os que da luz na metade sombra tropeçavam.


   Um dia, Madala olhou uma menina, senhora de uma lágrima só e lhe pegou nas mãos do existir:


   - Levanta-te dentro de ti princesa de nós. Porque o és.

     Só nos adicionamos no escalar dos degraus. E tanto maior será a distância vislumbrável quando mais íngreme e penoso for o caminho percorrido.

 

  - Levanta-te dentro de ti, princesa de nós. 

    Tu és a chave. De ti e de nós. Os que nos tornámos degraus, dessa tua viagem.


   Madala beijou-lhe os olhos e sorveu-lhe a lágrima lavando nossos corações.



publicado por António Mateus às 12:15
link do post | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


pesquisar

 

links

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds