Terça-feira, 27 de Setembro de 2011

ÉS O QUE SONHARES

 

Quem te disse que não és capaz?

 

Basta quereres. Mas quereres mesmo!;

 

APRENDER !

 

 


publicado por António Mateus às 11:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 14 de Setembro de 2010

AUTO-DISCIPLINA...BRILHANTE!

 

Como tirar o melhor de nós e dos outros?

 

Este é um dos ensaios mais brilhantes que já vi até hoje sobre auto-disciplina.


O valor do adiamento da recompensa, no reforço do sucesso futuro, é o último estudo de Joachim Posada, um treinador motivacional notável.

 

Super interessante, lúdico e inteligente!


publicado por António Mateus às 22:36
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009

MENINOS COM ESTILO

Nota: Este é o fardamento interno tradicional do Colégio que agora dará lugar, progressivamente, ao concebido por Maria Gambina

 

 

   Vestidos por Maria Gambina, os novos “ratas” do Colégio Militar despediram-se hoje do olhar de meninos, ou assim seria de esperar, na estreia em “teatro” militar.

 

  Afinal a magia desceu à Terra; os graduados abraçaram-nos como irmãos, uma nova família onde procuram a partir de agora acertar o passo.

   Pela primeira vez em 36 anos, o trajar interno dos “meninos da luz” pincelou-se num recorte de arco-íris, onde se conjuga o bom-gosto e um traço de irreverência juvenil, no fardar espartano.

 

   É um acertar de passo em muitas frentes, de muitas formas. Uma escola de excelência que nem sempre assim o tem sido apercebido nas últimas décadas e urgia redireccionar.   Já estive a bisbilhotar a peça de reportagem preparada pela RTP1 para o “Portugal Directo” de hoje. A não perder! Mesmo!


publicado por António Mateus às 15:16
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

COLÉGIO DE LUZ

 
    Dia especial. De magia. Meu menino mais velho regressou ao Colégio Militar de que tanto gosta.
 
   Que raio lhe temos estado a contrabandear na educação? O menino gosta de ordem, serenidade e brio. De respeito pelo próximo.
 
   Foi cortar o cabelo, limpou os botões da farda e lá foi entregar o enxoval para o novo Ano Lectivo.
 
   Orgulhoso de ser assim. De andar num colégio onde se respeitam os professores, o aprender, o investimento de talento que docentes, oficiais, pessoal auxiliar e tanta, tanta gente faz nele! 
   Em cada um deles. Nossos meninos!
 
   De valores se constroi um mundo melhor! Todos os dias.
 
   Bem haja quem tanto os filhos de outréns assim ama.
   É deles nosso arco-íris

publicado por António Mateus às 21:40
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

LUSODISSONÂNCIA

 

   Preso por ter cão e por não ter. É o que se poderia dizer dos promotores de um acordo ortográfico no mundo lusófono.

   Do Brasil, o DN dá conta de críticas a tal esforço normalizador, ecoando idênticos anti-corpos subscritos deste lado do Atlântico.

   Não está em causa a ”utilidade” estratégica de tal esforço em termos politicos e comerciais mas sim as implicações para os utentes do português, pintado com estas ou aquelas roupagens, consoante o meridiano em que é escrito ou verbalizado.

   Além de o jornal O Globo já ter dado voz às resistências assumidas deste lado, sob o título “Portugal Reage”, o jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, membro da Academia Brasileira de Letras, é citado entre os acordo-cépticos.

   "No tempo do Getúlio (Brasil) e de Salazar (Portugal) foram feitos acordos que não prevaleceram, porque, na realidade, quem faz a língua não são as academias, nem os governos. Quem faz a língua é o povo," afirma. "Os portugueses jamais vão deixar de chamar o trem de 'comboio', não adianta.

   Em Portugal, 'facto' é 'fato', e 'fato' é 'roupa'. Também temos nossas particularidades e jamais vamos chegar a um acordo".

   O DN cita ainda Desidério Murcho, da Universidade Federal de Ouro Preto, a sustentar que "as pretensas vantagens do acordo são como as vantagens de ter gnomos de barro no jardim: são decorativos, mas não fazem a poda por nós".

   Até porque, refere, "não há qualquer impedimento ortográfico à presença dos livros portugueses no Brasil, por exemplo. Na verdade, na biblioteca de filosofia da minha universidade encontram-se imensos livros portugueses e nem os meus colegas nem os meus estudantes se queixam da ortografia. Mas todos se queixam de ser muito difícil comprar livros portugueses".

   Por fim, o jornalista José Carlos Tedesco lembra que, "entre os quase 200 milhões de brasileiros, muitos não conseguem sequer cumprir as regras antigas e, portanto, terão grande dificuldade - ou irão mesmo ignorar - as novidades". 


publicado por António Mateus às 12:34
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

DESCOBERTA NOTÁVEL!

 

 

   É uma descoberta notável! Físicos franceses desenvolveram uma nova tecnologia que permite acelerar até 100 mil vezes a armazenagem e recuperação de dados em discos duros.


   O 'Femtosecond' laser usa um impulso de energia de um milionésimo de bilionésimo de segundo que permite ler e inscrever dados a uma velocidade nunca antes conseguida.

 

   A equipa de cientistas liderada por Jean-Yves Bigot conseguiu assim multiplicar exponencialmente a acuidade da “cabeça” de leitura da linguagem informática.

 

   O único senão prende-se com as dimensões excessivas destes lasers, para utilização em microprocessadores.

  

   Os Femtonsecond lasers medem cerca de 30 cm por 10 cm mas Bigot acredita ser uma questão de tempo que a miniaturização os produza em dimensões substancialmente mais práticas. 

 

   


publicado por António Mateus às 10:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

MENINA QUE LADRA

 

    Na Rússia, os serviços de protecção de menores resgataram uma menina de cinco anos que ladrava e se comportava como uma cadela.


   O incidente foi reportado por agencias internacionais e ocorreu na localidade siberiana de Chita, onde a menina vivia num apartamento imundo, com os pais e numerosos gatos e cães,


   Nunca tendo sido autorizada a sair de casa a menina manifestava-se ladrando.


   O presidente russo Dmitry Medvedev apelou em Março ao fim do abuso de crianças no país sustentando que mais de 760 mil crianças vivem ali em condições precárias.


publicado por António Mateus às 21:32
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Maio de 2009

JUÍZOS APRESSADOS

 

   Onde se cruzam as fronteiras do rigor, da verdade e da vertigem em assegurar ambos, com o encaixar de "factos" em ideias pré-concebidas e a arrogância da ignorância?
 
   O caso da professora de Espinho acusada de usar suposta linguagem “imprópria” e, pior ainda, uma postura tudo menos pedagógica na condução de um conflito com alunas é disso caso gritante.
 
   Primeiro, de “escribas” (ser jornalista é algo mais do que fazer juízos apressados e coxos) a responsáveis escolares, todos se apressaram a linchar publicamente a professora.
 
   Agora (tire-se-lhe o chapéu) o jornal Público mostra hoje a outra face deste mesmo quadro, onde alunos da dita escola avançam ter-se tratado afinal de uma “emboscada” a uma professora por eles descrita como “espectacular” e uma “segunda mãe”.
 
   Enquanto não se apura onde mora a verdade, o bom nome da professora em causa já foi arrastado na lama e, como se tem tornado hábito, foi sepultada a presunção de inocência da dita cuja.
 
   Faz-me lembrar a recorrência de “notícias” contra o Colégio Militar, alicerçadas em comportamentos de desvio de alunos identificados e que são por isso mesmo alvo de processos disciplinares rigorosos (como oxalá ocorresse nos estabelecimentos de ensino públicos deste país).
 
  O grave (muito antes pelo contrário!) não é divulgar abusos cometidos – porque ainda bem que isso é feito – mas sim induzir falsamente que seriam situações sancionadas e abafadas por pessoas e um sistema com elas coniventes.
 
   O apuramento da verdade não se constroi montando uma mentira estalinista mas ouvindo de forma isenta todas as partes, cruzando os argumentos e verificando a sustentabilidade dos mesmos antes de formalizar juízos.

 

P.S. Já agora seria interessante verificar-se o que implicaria em negociatas um eventual fecho do Colégio Militar e a alineação imobiliária dos respectivos terrenos numa zona nobre de Lisboa.

     


publicado por António Mateus às 16:42
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Abril de 2009

ALUNOS ATERRORIZAM PROFESSOR

 

 

  A história em si é tão inverosímel que mais parece uma mentira de 1º de Abril.

   Mas quando é verdadeira e aconteceu, mesmo, e no 1º de Abril,  duplica-se o franzir das sobrancelhas.

 

   Numa escola secundária de Saranda, no litoral adriático, os alunos decidiram pregar uma partida ao professor; toda a turma tomou comprimidos de um sedativo (Diazepam) e, a certa altura, quando decorria a aula, o docente notou que toda a classe se “apagara”.

   Receoso de que se tratasse de algo grave, o professor mobilizou a evacuação de toda a turma para o hospital local, num ambiente de grande ansiedade.

   Ali, a verdade seria clarificada. O director da escola descreveu a brincadeira como uma “idiotez colectiva”. 


publicado por António Mateus às 11:37
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Março de 2009

MORTE À EDUCAÇÃO


  

   É indiscutível que o melhor chefe e líder é aquele que sabe motivar e  retirar o melhor dos que transitoriamente enquadra.

   Digo “transitoriamente” porque muitos tendem a esquecer que ninguém “É” chefe mas sim “ESTÁ” chefe e tendem a destruir a iniciativa e o vestir da camisola de quem chefia cultivando o unanimismo e a subserviência.

   Se isso se passa cada vez mais mas empresas públicas – incluindo nas de média – não será de estranhar que o expoente máximo desse autismo surja na área da Educação, onde se hostiliza por regra (e não por excepção) os seus principais agentes; os professores.

   À pala de propósitos reformistas, vai-se tratando recorrentemente a classe docente como uma manada de indigentes, calaceiros, conspiradores contra o sistema, que se juntaram num mesmo clube para dar cabo das nossas criancinhas.

   Em vez de se motivar e remunerar a motivação de quem atura cada vez mais os rebentos de uma sociedade em perda de valores e de pais que se demitem das responsabilidades educativas transformam-se as escolas em circos romanos, onde qualquer dia se paga para não entrar.

   No que me toca, como não quero educar os meus filhos num sistema onde os professores são continuamente desrespeitados e os alunos tratados como príncipes intocáveis, recorri ao ensino privado.

   Porque posso…pelo menos por enquanto.

   Mas pergunto-me nesse caso porque e para que pago impostos?

Democracia é - também e principalmente - pedir contas a quem gere a coisa pública e exigir o cumprimento do contrato estabelecido entre eleitores e eleitos e que levou à escolha, pelos primeiros, de um   determinado partido.

   Reza qualquer manual básico de pedagogia que a primeira prioridade na formação de um menor é a estabilização do respectivo quadro afectivo e functional, requisito que depende do empenho e entrega dos professores, muito para lá das “obrigações” contratuais destes.

   Explico melhor; quando se volta a colocar milhares de professores já efectivos em risco de desemprego está-se a defender os alunos e os docentes ou novamente a sacrificar tudo e todos a contabilidades financeiras?

   Mas ainda mais obsceno é que depois, em nome da excelência do ensino que têm vindo a torpedear, na corrente guerra contra os professores, é exigida a partir do concurso deste ano “qualificação para o ensino”, além do grau académico.

   Uma certidão que em muitos cursos já decorre do plano de licenciatura curricular cumprido mas em muitos outros exige uma formação académica adicional.

   O Ministério da Educação alega que para isso foi “dada a opção” de fazer uma "profissionalização" no ensino superior, paga pelo Estado, só que para se ser elegível para essa formação, o professor tem de contabilizar pelo menos seis anos de serviço ininterrupto nas escolas.

   Para centenas de professores actualmente colocados que ainda não leccionam há seis ou mais anos o cenário é assim de desemprego garantido.

   Está tudo louco ou é impressão minha?

 


publicado por António Mateus às 15:45
link do post | comentar | favorito

TRANSLATE THIS BLOG TO ANY LANGUAGE

António Mateus

Escritor e jornalista. Nasceu em 1960 em Castelo Branco, filho de uma socióloga e de um Oficial de Cavalaria. Licenciado pela UTL e iniciou a sua actividade jornalística no jornal O Globo em 1982. Continuar a ler (...)

Os meus livros

Selva Urbana, edições Colibri. "Selva Urbana – ponte entre olhares e sensibilidades de dois mundos, duas culturas, dois continentes, situações humanas comuns – é uma sequência de retratos publicados em colunas semanais num jornal diário de cariz económico, Jornal de Negócios (...) Comprar

Homens vestidos de peles diferentes, editora Ulmeiro. Comprar.

pesquisar

 

links

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds