Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009

MENINOS SEM IDADE

 

  
 
  Um dia vestimo-la com uma manga de câmara-de-ar reciclada, para a resguardar da chuva mas também evitar que pintasse de ferrugem a roda da mota, por ela atada ao candeeiro.
 
   Fizemos uma espécie de cerimónia a preceito; o mano Nuno trouxe o cadeado enorme, novinho em folha, comprado na drogaria da rua e com ele ancorámos a Honda ao poste iluminado.
 
   Naqueles dias éramos capitães da rua, futebolistas no impasse de alcatrão, ainda não prenhe de automóveis.
 
   Telheiras ainda era quase isso mesmo; um penteado de velhos telhados, salpicados em quintas, entrecortadas por azinhagas de muros altos, semi-derrotados pela idade e a gravidade.
 
   A mota era a nossa ponte juvenil para outras distâncias de férias de Verão e, no fim deste, as vindimas na Ribaldeira, onde amealhávamos poupanças para os próximos sonhos; umas botas novas de râguebi e, naquele ano, a corrente “à maneira”, de elos grossos, desafiadores dos recursos da malandragem, por aquelas bandas pululante.
 
    Um a um fomos desengravidando o lar paterno. Primeiro o João, o mais velho, depois eu e, logo a seguir, o Nuno, e na rota cronológica da idade, o caçulinha Zé.
 
   Todos! Menos a corrente que por ali ficou esquecida, cadeadada ao candeeiro, sem roda para guardar, despojo de um abraço de vida, de mil sonhos, partidas e chegadas. Noites de chuva, em que espreitávamos os raios de luz para confirmar a permanência ancorada do nosso cavalo metálico.
 
   Foi preciso uma recém amiga ir dar aulas para o Colégio Militar e alugar apartamento mesmo em frente ao candeeiro acorrentado (e, cúmulo das coincidências, a roçar ombros com o antigo andar do Paulo “borbulhas”) para se resgatar da memória cega o tesouro elado.
 
   Já não sei onde pára a chave do colossal cadeado que de tão seguro, no desafio à bandidagem, se revelou também agora perante as tentativas libertar o candeeiro daquele abraço enferrujado.
 
   Mas sei que naquele instante de coincidências, pózinhos do Sininho do Peter Pan dançaram num raio de luz do velho candeeiro, ou por ele se despencaram nos nossos sonhos.
 
  E nós, assim enfeitiçados, musgámos os olhos no coração, e nos tornámos meninos sem idade.

publicado por António Mateus às 13:21
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


TRANSLATE THIS BLOG TO ANY LANGUAGE

António Mateus

Escritor e jornalista. Nasceu em 1960 em Castelo Branco, filho de uma socióloga e de um Oficial de Cavalaria. Licenciado pela UTL e iniciou a sua actividade jornalística no jornal O Globo em 1982. Continuar a ler (...)

Os meus livros

Selva Urbana, edições Colibri. "Selva Urbana – ponte entre olhares e sensibilidades de dois mundos, duas culturas, dois continentes, situações humanas comuns – é uma sequência de retratos publicados em colunas semanais num jornal diário de cariz económico, Jornal de Negócios (...) Comprar

Homens vestidos de peles diferentes, editora Ulmeiro. Comprar.

pesquisar

 

links

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds