Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009

SEGREDO DE VIDA

  

 

  Nininha se varandava no existir como quem procura a Lua em dia solarengo ou as estrelas no beijar do Sol.

 

  Se pendurava nas borboletas que caracoleavam no descer do ar, no soprar da brisa, despojando-se no esculpir de seu destino.  Pedindo arco-íris em seu sentir como quem se esgota de sede no desertar do beijo.

 

  Nininha tinha tudo em si sem o ver, porque toda a vida se somara de olhar em busca de um farol, num existir feito de reflexos, de imagens devolvidas.

 

  Como na alegoria, Nininha foi despejando os minérios que o saco de vida lhe prendou. Uns atrás dos outros.

 

  Pedras puras. Basaltos até. Alguns, brilhos de alma, feitiços emprestados. Outros ainda, raros, jóias deslumbrantes.

 

  Até ao dia em que do Suão lhe chegou feiticeiro. Africano de sabedorias somado. De mil paciências moldado. Que se recusou ser apenas mais um. O depois na lista, antes do seguinte.

 

  Mouro lhe sorriu. No pisar da (i)lógica. Lhe anzolou a alma e o gostar e a deixou voar. Pássaro sem gaiola céu acima, sonhos abaixo, até descobrir, dentro de si, que tudo vale a pena, porque VALE. Mas para isso é preciso investir, chorar, querer e arriscar a magoar os joelhos no cair.

 

  Na hora própria, se ela decidir dar valor ao que vale, ele lhe dará a mão e beijará o joelho ferido.

 

  Afinal a magia está no tornar o NÓS muito mais do que a soma do EU com o Tu.

  Um dia, nos sonhos do Suão,  Nininha percebeu-o. Arrumou o EU, investiu no TU e apaixonou-se pelo NÓS. Espreitou dentro de si e para sua surpresa, o EU e o TU estavam lá dentro. Felizes.

  Com um arco-íris na alma. 

 


publicado por António Mateus às 14:22
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 19 de Março de 2010 às 02:16
este poema foi mais do que um raio de luz na minha vida, obrigada por partilha-lo.


De António Mateus a 19 de Março de 2010 às 12:58
Obrigado pela sensibilidade.
Foi escrito com o coração e sentido onde o arrepio do arco-íris toca o mais puro de nós.
Bj
António Mateus


Comentar post

TRANSLATE THIS BLOG TO ANY LANGUAGE

António Mateus

Escritor e jornalista. Nasceu em 1960 em Castelo Branco, filho de uma socióloga e de um Oficial de Cavalaria. Licenciado pela UTL e iniciou a sua actividade jornalística no jornal O Globo em 1982. Continuar a ler (...)

Os meus livros

Selva Urbana, edições Colibri. "Selva Urbana – ponte entre olhares e sensibilidades de dois mundos, duas culturas, dois continentes, situações humanas comuns – é uma sequência de retratos publicados em colunas semanais num jornal diário de cariz económico, Jornal de Negócios (...) Comprar

Homens vestidos de peles diferentes, editora Ulmeiro. Comprar.

pesquisar

 

links

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds