Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Cheers Mate!

 
 
 
 
 
 
Ross-Dunn
Jornalista
 
Há pessoas que nos reescrevem a forma de olharmos e sentirmos o mundo,
quase sempre através de pequenas coisas, como a sensibilidade, a verticalidade e a capacidade única de se rirem de si mesmas.
 Ross Dunn foi um desses brilhos de alma que me iluminou até descobrir, ontem, que morreu vítima de cancro. Deixando-nos a todos bem mais pobres, mesmo sem o sabermos.
Conheci o Ross em Joanesburgo, com a auto-estima (dele) torpedeada por um desgosto de amor, mas que re-costurava diariamente em prosas geniais de jornalista, publicadas nos mais prestigiados jornais do mundo anglo-saxónico.
Ficava sózinho até altas horas da noite, a debruar olhares e sentires sobre o oacaso do apartheid, com uma agilidade de escrita só comparável ao perfeccionismo com que buscava e articulava os méritos e deméritos de todas as partes envolvidas, para benefício dos leitores. E da justiça.
 Escutei-lhe tantas vezes as perguntas cortantes e inteligentes, tão frontais quanto polidas, que nos ajudavam a entender os factos e respectivo contexto e os seres humanos que os protagonizavam.
Ouvi dizer que cumpriu depois o mesmo percurso no Médio Oriente. Enjeitando os “jornaleirismos” de os “tadinhos” dos palestinianos e dos “mauzões” dos israelitas ou vice-versa.
Onde uns e outros sempre procuraram rótulos. Linhas divisórias entre “bons” e “maus”, Ross vislumbrava sempre seres humanos falíveis e imperfeitos, onde poetas do existir como Nelson Mandela são a excepção e não a regra.
Se não o fosse assim, como poderíamos nós, que vivemos quase uma década à luz de “Madiba”, ter um segundo sequer de tempo de antena, no coração e na alma, para os nossos políticos e os média que no-los impingem diariamente?

publicado por António Mateus às 12:26
link do post | comentar | favorito

TRANSLATE THIS BLOG TO ANY LANGUAGE

António Mateus

Escritor e jornalista. Nasceu em 1960 em Castelo Branco, filho de uma socióloga e de um Oficial de Cavalaria. Licenciado pela UTL e iniciou a sua actividade jornalística no jornal O Globo em 1982. Continuar a ler (...)

Os meus livros

Selva Urbana, edições Colibri. "Selva Urbana – ponte entre olhares e sensibilidades de dois mundos, duas culturas, dois continentes, situações humanas comuns – é uma sequência de retratos publicados em colunas semanais num jornal diário de cariz económico, Jornal de Negócios (...) Comprar

Homens vestidos de peles diferentes, editora Ulmeiro. Comprar.

pesquisar

 

links

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds